Categorias
CONTEÚDO jornalismo Revista Sorria

DELICIOSAS RECEITAS DE PASTEL FRITO E DE FORNO

Um pastel quentinho guarda possibilidades infinitas de delícias. Com massa fininha, doce, salgada, com um ou vários ingredientes no recheio, ele faz a festa de todas as idades.

post_pastel

Aos domingos, eu acordava cedo para ir com meu pai à feira. O que me tirava da cama não eram as frutas nem os legumes, mas a barraca de pastéis fresquinhos. Aprendi a dar uma pequena mordida no canto daquele travesseiro de massa crocante e deixar o ar quente sair. Assim, não queimava a boca e fazia o pastel durar mais. Saboreava bem devagar o recheio, guardando o melhor para o fim.

Foi essa mesma sensação gostosa que levou Maria Kuniko, de 59 anos, a dedicar sua vida aos pastéis de feira. A paixão veio na primeira mordida, ao provar a receita feita pelo pai, um imigrante japonês que aprendeu aqui a fazer o quitute e vendê-lo em barracas. “O sabor era delicioso, diferente de tudo o que já havia comido”, diz Maria, dona da barraca que ganhou duas das três edições do concurso de melhor pastel de São Paulo, organizado pela prefeitura. Até hoje, ela come pelo menos um pastel de carne por dia. É assim que garante o sabor da receita paterna. “O segredo está na sova da massa. Tem de ser bem fina”, diz.

Outra dica para uma massa impecável é prestar atenção à temperatura do óleo. Ele está ideal quando, ao jogar uma tira de massa na panela, ela demora um segundo exato para subir à superfície. Se fizer grandes bolhas, é mau sinal. O empresário Gabriel Junqueira, de 32 anos, aprendeu isso quando decidiu largar seu emprego no mercado financeiro para viver do pastel. Provando até cinco de uma única vez, o apaixonado pela receita descobriu que o pastel perfeito é aquele que tem bolhas pequenas e uniformes. “É isso que revela se ele está sequinho e benfeito.”

Para fazer a massa assada, o cuidado está em dosar bem os ingredientes e acompanhar o forno de perto, para que a receita não fique pesada nem quebradiça. Tanto cuidado só mostra quanto o pastel é adorado pelo paladar brasileiro. Ninguém sabe ao certo sua origem, se foi adaptado de trouxinhas fritas e recheadas orientais ou trazido pelos jesuítas. A única certeza é de que ele faz sucesso por aqui com sua fonte inesgotável de recheios. Vai um pastel aí?

Massa de Pastel Frito

Ingredientes

• 1,250 g de farinha de trigo
• 2 gemas
• 60 g de banha suína (ou margarina)
• 1 colher (sopa) de sal
• 1/2 colher (sopa) de glutamato monossódico (Ajinomoto)
• 400 ml de água

Modo de preparo

Derreta a banha e bata as gemas. Em uma vasilha, misture bem todos os ingredientes. Quando a massa estiver homogênea, envolva-a em filme plástico e deixe descansar por meia hora. Abra a massa com um cilindro ou rolo. Corte, recheie, feche (as pontas da massa molhadas com água fecham melhor) e frite. No filme plástico, ela pode ser congelada por trinta dias.

RECHEIO DE PIZZA

•3 fatias de queijo mussarela
• 1 fatia de tomate
• 1 azeitona
• orégano

Modo de preparo

Empilhe 2 fatias de mussarela, o tomate, a azeitona, salpique orégano e cubra com 1 fatia de mussarela. Feche a massa e frite em óleo bem quente.

Massa de Pastel de Forno

Ingredientes

• 500 g de farinha de trigo
• 250 g de gordura vegetal, margarina ou manteiga
• 1/2 xícara (chá) de refrigerante de guaraná
• 1 colher (sobremesa) de sal
• 1 gema (para pincelar)

Modo de Preparo

Junte todos os ingredientes em um recipiente grande e misture bem, com as mãos, até obter uma massa homogênea. Deixe-a descansar por 30 minutos. Com um rolo, abra a massa e corte-a com um cortador ou a borda de um copo. Recheie, feche com a ajuda de um garfo e pincele os pastéis com a gema. Leve ao forno quente por cerca de 15 minutos. Retire quando estiver dourado.

RECHEIO DE GOIABA COM QUEIJO

• 2 xícaras (chá) de goiabada em cubos
• 2 xícaras (chá) de queijo de minas em cubos

Modo de Preparo

Misture os ingredientes em uma tigela. Recheie a massa, feche e asse.

Categorias
CONTEÚDO iCasei Web

8 dicas para acertar no buffet do seu casamento

Como não errar a mão na hora de escolher e combinar receitas para a sua festa

Karina Sérgio Gomes para o site iCasei

O vestido da noiva geralmente é o tema mais comentado em um casamento. Porém, quando o casal erra na mão e tropeça no cardápio do evento, o fato sempre ganha potencial para ser o maior trending topic da festa. Para evitar dissabores nessa área, não é preciso seguir uma cartilha básica, e às vezes monótona, de escolhas (na linha salada de folhas, massa com molho de tomate e carne). Os casais podem, sim, investir em preparos de família, pratos étnicos e soluções mais ousadas; desde que tomem alguns cuidados na hora de fechar o menu.

Para temperar esse caminho e dar receitas felizes, listamos abaixo oito dicas especiais da Nathália Monteiro, da área de atendimento social do Buffet Vivi Barros.

Número de convidados

A opção por um mini wedding ou uma grande festa para centenas de convidados não interfere diretamente na escolha do menu. O fator mais importante quando você pensa em número de convidados é o tipo de serviço. Num evento maior, a montagem de um bufê estilo franco-americano, no qual todos se servem à vontade em diferentes momentos, aparece como a melhor solução. O serviço volante ou um menu degustação, com garçons trazendo os itens do cardápio, é mais indicado para festas menores.

Coerência nas escolhas

Embora o menu possa ter um ou outro prato de destaque, ou mesmo uma ilha com comidas especiais, é importante seguir uma linha em todos os momentos gastronômicos: o coquetel da entrada, o almoço ou jantar e a fase dos doces. Não cai muito bem, por exemplo, promover um coquetel japonês, seguido de um jantar italiano e de sobremesas brasileiras. Ou servir aperitivos bem contemporâneos e emendar esse momento com um jantar repleto de comida típica de fazenda. Com essas quebras ao longo do cardápio, os convidados ficam, sim, meio confusos. Vale, também, adequar o menu aos horários de serviço. Num casamento em que a grande refeição é o almoço, por exemplo, um coquetel de entrada oferecido entre 10 e 11 horas pode, sim, ter opções de café da manhã, como ovos mexidos.

Na praia, na fazenda…

Ou numa casinha de sapê. Tanto faz. O menu não precisa, obrigatoriamente, combinar com o lugar. Ele precisa, mesmo, é traduzir a vontade e as expectativas dos noivos. Embora seja comum ver muitas opções com frutos do mar em casamentos na praia, deve-se sempre incluir algum prato sem pescados para agradar quem não gosta desses ingredientes. Programou o seu casamento para o campo? Então saiba que nada te obriga a abraçar um cardápio rústico ou com jeitão de casa da avó. Os noivos podem optar por pratos mais requintados ou definir uma receita especial que não tenha qualquer ligação com o universo do fogão a lenha.

Posso colocar coxinha no menu?

Pode. Nada é proibido na área gastronômica. Se você acha que o salgadinho parece algo muito simples para o seu casamento, saiba que existem várias técnicas e opções de preparo que transformam o quitute numa receita sofisticada. O Buffet Vivi Barros, por exemplo, serve uma coxinha de mandioquinha recheada com carne de pato. Esse tradicional salgado brasileiro ainda aparece como ótima sugestão para um lanchinho da madrugada. Nesse período, aliás, é importante priorizar itens mais simples, que possam ser comidos em poucos bocados. Hamburguinhos, tostex e outras opções de gostosuras são ideais para servir na pista.

Ilhas de comida

Vocês adoram comida tailandesa? Então que tal optar por um menu mais universal – que agrade os noivos e a grande maioria dos convidados – e criar uma ilha com as receitas orientais preferidas do casal? Essa é uma bela saída para quem não dispensa sabores étnicos ou regionais, mas teme a reação dos convidados a um cardápio muito específico e pouco difundido localmente.

Pensando nas minorias

Hoje é bem usual conhecer diversas pessoas com restrições alimentares, caso de vegetarianos, veganos e indivíduos com intolerância à lactose ou ao glúten. Se você tem convidados com esses perfis, inclua no menu ao menos uma opção compatível com a dieta deles.

A moda é ser saudável

Independentemente do estilo do menu ou do lugar, receitas mais saudáveis e com menos fritura estão em alta. Nessa onda, reinam pratos leves, fórmulas que incorporam folhas, legumes e carnes brancas, além de composições sem molhos pesados. Os benefícios dessas escolhas aparecem num curto prazo em casamentos: os convidados ficam menos empanturrados e mais animados para dançar na pista.

 

Categorias
Editora Alpendre Guia de Turismo Livro Livros Vídeo

O que comer no Brasil

Imagens e edição do booktrailer do livro “O que comer no Brasil”.

o que comer no Brasil from Karina Sérgio Gomes on Vimeo.

 

Galinhada, vatapá, empadão goiano, arroz de carreteiro. Mas também coxinha, empadinha, pão na chapa, bolinho de estudante. Pratos da cozinha regional brasileira, salgadinhos, bebidas e sobremesas típicas do país, entre outros quitutes, são o tema do eBook O QUE COMER NO BRASIL (Editora Alpendre, 2014), um glossário com as principais características de 131 receitas e ingredientes representativos da culinária nacional.
Criado especialmente para o formato digital, o livro é fácil de ser consultado em celulares, tablets e e-readers por quem viaja pelo país a trabalho ou a passeio, sem necessidade de conexão com a internet. Com edições bilíngues português-inglês (R$ 4,90) e português-espanhol (R$ 4,90), é útil, também, para apresentar aos amigos estrangeiros a rica diversidade da gastronomia brasileira. Uma terceira versão, com os três idiomas (R$ 9,80), inclui dez receitas simples que podem ser feitas com ingredientes facilmente encontrados no Brasil e no exterior.
As três edições de O QUE COMER NO BRASIL podem ser compradas nas principais livrarias digitais.