Categorias
CONTEÚDO Conteúdo para Marcas iCasei Web

8 dicas sobre contrato de músicos e banda para casamento

Conteúdo para o site iCasei

Não quer ver a sua banda para casamento desafinar? Então fique atenta às dicas dos especialistas sobre contratos de música

Um dos pontos altos da cerimônia e da festa é a trilha sonora. Muito da emoção transmitida nos momentos marcantes do seu grande dia virá de boas escolhas musicais. E ouvir notas entoadas ao vivo, por cantores ou uma banda para casamento, sempre reforça essa sensação especial – numa igreja, num salão, no campo, na praia ou numa pista de dança. Por isso, o contrato dos fornecedores dessa área deve estar afinadíssimo.

Conversamos com a cantora Lorenza Pozza e com o músico Tiago Pereira, da Banda Mega, para descobrir tudo o que você precisa saber na hora de fechar negócio com músicos e banda para casamento.

Casal dançando ao som da banda de casamento
Foto: Pinterest / Reprodução

As principais orientações para ter uma boa experiência ao contratar cantores e uma banda para casamento

  1. Organize-se

    Muitas bandas e cantores requisitados ficam sem data disponível no período de um ou dois dias que você pede para pensar um pouco sobre a proposta deles. Por isso, fique de olho nas redes e no site de seus possíveis fornecedores para saber quando a agenda de shows deles estará aberta. Lorenza Pozza, por exemplo, começará a marcar as suas apresentações de 2019 no começo de 2018. Ela recomenda que os noivos entrem em contato com os músicos selecionados, pelo menos, doze meses antes do casamento. Seguir essa dica também facilita a negociação do preço e das condições de pagamento.

  2. Equipamentos de som

    Esse detalhe é muito importante e tem muitas variantes. Podem ficar responsáveis pelos equipamentos de som os próprios músicos, os noivos ou uma outra empresa. Por isso, preste atenção no que foi contratado. Se a banda assumir o compromisso de levar os equipamentos de som, ela deve deve discriminar todos os itens. No caso de responsabilidade dos noivos, atente-se a tudo que foi pedido: potência das caixas de som, mesa de som, tipo de microfone. Em geral, isso acontece quando o casamento tem mais de uma atração musical. Nesses casos, recomenda-se a contratação de uma equipe que prepare o som para todas as apresentações, inclusive de DJs.

  3. Horário do show

    No caso de apresentação na cerimônia, Lorenza diz que é imprescindível especificar, no contrato, a hora definida para a chegada dos primeiros convidados. Os músicos precisam chegar quatro horas antes desse horário para fazer a passagem de som e organizar bem a apresentação. Você não vai querer que os seus convidados presenciem esses preparativos, certo? No caso de bandas para festa, Pereira indica que seja colocado no contrato o horário da apresentação do grupo, para tudo esteja afinado na hora do show.

  4. Camarim

    Como os músicos chegam muitas horas antes do evento, boa parte deles pede um camarim ou uma sala reservada para se concentrarem e descansarem antes da apresentação. A maioria dos espaços para eventos conta com esse ambiente: só não esqueça de reservá-lo para os músicos.

  5. O Setlist

    Embora os profissionais que trabalham com música tenham um repertório vasto e bem variado, há sempre aquele casal com uma demanda específica, que foge das playlists decoradas. Já houve caso de noivos pedirem para Lorenza cantar músicas em japonês e hebraico. Para não ser pega de surpresa e conseguir atender bem a demanda, a cantora recomenda que os noivos passem as músicas que desejam para a cerimônia e festa com, pelo menos, dois meses de antecedência.

  6. Deslocamento

    Se o seu sonho é ter um músico ou uma banda de outra cidade ou estado no seu casamento, lembre-se dos custos extras implícitos nesse desejo. “Estadia da equipe, alimentação e transporte certamente ficarão por conta dos noivos”, alerta Pereira. Por isso, antes de fechar o contrato, certifique-se de todos os itens que compõem o orçamento de viagem do músico ou da banda. Assim, você evita qualquer surpresa desagradável no seu grande dia.

  7. Direitos autorais

    Alguns espaços para festa pagam mensalmente uma taxa ao Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (ECAD), responsável pela arrecadação e distribuição dos direitos autorais das músicas aos seus respectivos autores. Nesses casos, noivos e músicos podem ficar tranquilos quanto à execução de qualquer repertório. Certifique-se com o seu espaço para casamento se essa taxa é paga. O alerta merece a atenção do casal: tanto no contrato de Lorenza quanto no da Banda Mega – e no da maioria dos fornecedores deste setor, a responsabilidade pelo pagamento dos direitos autorais das músicas, em caso de processos ou cobranças, fica com os noivos.

  8. Cancelamento

    Combinado é combinado. Em caso de cancelamento por parte dos noivos, o valor pago não será devolvido. E não há negociação para um reagendamento, pois a data original foi bloqueada para o seu casamento. Fique atenta ao que os músicos sugerem, no momento da assinatura do contrato, para um caso inverso, envolvendo o cancelamento por parte dos contratados. Se Lorenza, por exemplo, cancelar uma apresentação – e o motivo não for uma doença atestada por um médico –, ela paga uma multa aos noivos, além da devolução integral do dinheiro.

Categorias
CONTEÚDO iCasei Web

6 dicas para arrasar com cabelos cacheados

Cabelos cacheados estão em alta. Saiba como cuidar deles e tirar proveito dos fios encaracolados para brilhar no seu casamento

Por Karina Sérgio Gomes para o site iCasei

Em agosto, pela primeira vez no Brasil, as buscas por cabelos cacheados superaram as de cabelos lisos. De acordo com o Google, houve um crescimento de 232% na busca pelas madeixas encaracoladas no último ano. E o interesse pelos cabelos afros subiu 309% no último biênio. Nunca os caracóis dos seus cabelos estiveram tão na moda.

Para te mostrar como cuidar deles e tirar o máximo de proveito no penteado do seu casamento, ouvimos os cabeleireiros Bruno Ximendes, da equipe de Celso Kamura, Nadja Vasconcellos, do salão Square by Romeu Felipe, e o beauty artist Edu Hyde. Abaixo, veja as dicas deles para você arrasar com os seus cabelos cacheados.

  1. Mantenha o cabelo sempre hidratado

O cabelo crespo costuma ser mais fino, poroso e seco. Por isso, todos os profissionais recomendam cuidado extra e hidratação frequente. Os cabeleireiros indicam até intercalar o uso do condicionador com a máscara de tratamento. Isso não exclui fazer uma hidratação profunda nos fios pelo menos uma vez por mês no salão. Embora o uso de leave-in proporcione uma maior hidratação, essa mesma recomendação vale para quem tem cabelo cacheado.

  1. Shampoos translúcidos ou de aloe vera

Para evitar que o cabelo fique pesado, Ximendes recomenda o uso de shampoos translúcidos, que costumam ser mais leves. Nessa pegada, Hyde indica que as mulheres de cabelos cacheados procurem por shampoos cujo princípio ativo seja aloe vera ou os tipos mais neutros, com PH baixo. Esses produtos fazem com que as cutículas do cabelo fechem – evitando que o fio fique áspero – e dão a aparência de hidratado.

3.O mito do condicionador

Quem tem cabelo cacheado já deve ter recebido a dica de lavá-lo apenas com condicionador. Fuja desse conselho! Nadja explica que a função do shampoo é limpar a transpiração do couro cabeludo, seja ele de uma pessoa com cabelo liso ou cacheado. O correto é procurar pelo seu shampoo ideal e usá-lo para lavar bem a raiz. Depois, basta tirar o resíduo do produto e hidratar bem os fios com um condicionador ou uma máscara.

  1. Assuma o seu cabelo

Nadja diz que são poucas as noivas que assumem as mechas encaracoladas ou crespas para um casamento. Mas Hyde acredita que está vindo uma tendência forte das mulheres aceitarem seu próprio cabelo na hora do sim. Ambos ressaltam que dá para fazer penteados lindíssimos com fios que não sejam lisos. Todo preso, meio-preso, coques, soltos… o estilo fica ao gosto da noiva.

  1. Valorize o seu volume

Foi-se o tempo em que se passava muitos cremes para baixar o volume do cabelo. A moda agora é valorizá-lo. “O volume é a principal característica do cabelo cacheado”, afirma Hyde. Além disso, o profissional acredita que “qualquer acessório valoriza os fios crespos”. Por isso, vale usar tiara, flores, ponto de luz e qualquer outro item que a noiva desejar.

  1. Jogue suas tranças

“As tranças são eternas”, afirma Ximendes. Elas podem ser o próprio penteado, como as tranças gregas, ou um detalhe que faz o papel de acessório, no caso de cabelos meios-presos. Quem não deseja usar os fios soltos, pode investir em coques altos, que também são clássicos e nunca saem de moda.

 

Categorias
iCasei Web

O que ainda vale e o que perdeu força nas tradições do casamento

Anel de noivado, vestido, horário do evento, escolha de padrinhos. Saiba como os noivos de hoje lidam com as principais etapas de um casamento

Por Karina Sérgio Gomes para o site iCasei

Pode-se dizer que o ritual do casamento em si não passou por grandes alterações no decorrer da história. Muitas das suas etapas são repetidas por séculos sem qualquer sinal de cansaço. Mas isso não significa que não há ciclos de renovação, nos quais algumas tradições e hábitos perdem força – enquanto outros elementos contemporâneos surgem no horizonte.

A assessora Chris Godinho, da Duas Eventos, e o celebrante Paulo Godoy nos ajudaram a contar pra você como os noivos têm reagido às diversas etapas e tradições do casamento.

A volta do anel de noivado

O noivado voltou a ser tendência e, com ele, o solitário entra em cena na hora do pedido de casamento. “De preferência, um solitário de diamante”, afirma Chris. Segundo ela, os pares de alianças douradas na mão direita já não aparecem com frequência nos dedos dos casais que pretendem se casar. Apenas a noiva costuma usar o cobiçado anel.

A internet no lugar do papel

Embora o convite físico, entregue pessoalmente ou pelo correio aos convidados, seja muito utilizado, boa parte da papelaria pré-casamento se tornou digital. O clássico save the date, para avisar que o convite chegará em breve, já segue por mensagem de WhatsApp, segundo Chris. Mas isso não significa mudança de costumes. “Com a tecnologia, algumas tradições que poderiam ser perdidas ganharam mais fôlego.” Entre elas, está o cartão de agradecimento pela presença, que hoje pode ser enviado pelo site de casamento.

O site de casamento

Confirmar a presença de todos os convidados já não depende de telefonemas. Um site de casamento pode cuidar disso para os noivos. Aliás, um endereço eletrônico com essa proposta reúne todas as principais informações do evento, até aquele mapinha de como chegar ao local da cerimônia e da festa. Boa parte deles ainda conta com um mural para os convidados deixarem mensagens aos noivos.

O presente do casamento

Presentear quem está se casando nunca sai de moda, mas o formato do presente vem mudando ao longo do tempo. Depois da febre da lista na loja de artigos para casa, as listas virtuais são as novas queridinhas dos casais. “Atualmente, muitos noivos já dividem um lar e têm uma residência praticamente completa”, lembra Cris. Por isso, eles preferem uma lista de casamento que permita resgatar todos os presentes em dinheiro – um valor que pode ser gasto ou investido de acordo com a vontade de cada casal.

As alianças

A espessura da aliança muda de tempos em tempos. Tem época que a moda é um anel fino; em outra, grosso. Às vezes, a aliança da mulher vem com um detalhe a mais, como um brilhante, mas, em geral, os pares ainda costumam ser idênticos. É importante para muitos noivos fazer as suas próprias alianças com suas próprias mãos- um gesto romântico de cavalheirismo às antigas que derrete, além de ouro, os corações.

First Look. Será?

Você já deve ter visto muitos ensaios pré-casamento. Porém, segundo Cris, nem sempre a mulher está com o vestido da cerimônia. “Nem a sogra vê o vestido da noiva. O vestido da noiva é da noiva”, enfatiza Cris. Para fazer esse ensaio, muitas optam por usar dois vestidos: um nesse momento com o noivo e outro na entrada do casamento. Afinal, vai que… Ninguém quer azarar, né?

Vestido branco

O vestido branco puríssimo saiu de cena coleções atrás para dar espaço ao off white. Raras são as noivas que trocam esse tom ou uma paleta próxima à do champanhe, por outra cor, como rosa, vermelho ou azul. “Quem está casando pela segunda vez, geralmente, usa um vestido de outra cor”, explica Cris.

A entrada com os pais no cortejo

A sociedade mudou muito nos últimos anos. E os padrões de família também. Tanto Godoy quanto Cris lidam frequentemente com filhos de pais separados que não fazem questão de entrar com a mãe ou com o pai no casamento. Segundo eles, esse foi o rito que mais passou por transformações. Há quem prefira entrar sozinho, com o irmão ou a irmã, com os avôs ou mesmo com o padrasto ou madrasta. “A gente tem que administrar. Faz parte da modernidade”, diz Cris.

As músicas favoritas do casal

Segundo o ditado, clássicos não envelhecem. A marcha nupcial ainda ser a música favorita das noivas que optam por se casar na igreja. No entanto, quem casa no campo, na praia, em restaurantes ou mesmo na casa dos pais, costuma selecionar músicas que tenham relação com a história do casal. Em suas cerimônias, Godoy quase não vê noivas entrando com a famosa música de Mendelssohn.

Os padrinhos

Assim como os casamentos estão cada vez menores, a fila de padrinhos também deu uma encolhida (e dificultou a escolha dos padrinhos). Embora a predominância ainda seja de casais, eles não precisam ser necessariamente casados ou namorados. Afinal, nem sempre o crush da sua melhor amiga é seu amigo. Mas há ainda quem inove. Godoy vai realizar um casamento no qual o noivo chamou apenas seus cinco melhores amigos para serem padrinhos. Cris acredita que, com o aumento de casamentos gay, talvez esse padrão homem e mulher como testemunhas também mude com o passar dos anos.

A entrada das alianças

As alianças ainda são majoritariamente trazidas por crianças. Godoy, porém, já viu avôs e avós fazendo as vezes de daminha e pajem, e até o cachorro. “Eu acho muito bacana essas adaptações. Mas as crianças ainda têm aquele charme extra”, diz.

Trocar a noite pelo dia

A tradicional cerimônia realizada depois do surgimento da lua está sendo substituída pelo evento vespertino ou, mesmo, matutino. Segundo Godoy, boa parte dos casamentos que ele realiza ocorre durante o dia. Isso não impede que a celebração atravesse a noite, claro. E o momento fim de festa ganhou um novo rito: o lanchinho da madrugada. Agora, ninguém chega mais de um casamento com fome porque gastou tudo o que comeu na pista.

Votos personalizados

Com exceção dos casamentos religiosos, nos quais os votos seguem um padrão oficial, a declaração de amor eterno ganhou outras palavras. Os próprios noivos criam discursos para reafirmar o compromisso em frente ao seu par. Nas suas cerimônias, Godoy faz questão de que eles escrevam seus próprios votos. Quem não quiser levar algo escrito pode improvisar na hora.

Padre, celebrante, amigos ou juiz de paz, tanto faz

Casar de papel passado ainda é algo que os noivos fazem questão. Porém, a cerimônia nem sempre tem caráter religioso. Depois de assinar o documento no cartório, muitos noivos celebram o casamento sem a presença de uma autoridade religiosa, substituindo-a por alguém que conte a história deles. Essa pessoa pode ser o celebrante de casamentos, como Godoy, que está no ofício há cinco anos e acredita que esta é uma área em expansão. Amigos também surgem como opção para conduzir o rito, dizer aos noivos a importância daquele momento e que eles já podem se beijar.

A valsa

Praticamente ninguém mais dança uma valsa para abrir a pista. Hoje os noivos escolhem canções que tenham a ver com a trajetória deles. Casais mais arrojados ensaiam até uma coreografia para fugir dos dois para cá, dois para lá – alguns ainda contam com a participação de pais e padrinhos nesse momento.

O corte da gravata

Embora Cris ache o rito deselegante, muitos noivos não abrem mão da brincadeira do corte da gravata – geralmente uma arrecadação extra para a lua de mel. Esse rito tem adaptações, como o leilão da garrafa de uísque. A noiva também conta com a sua versão. Nela, as madrinhas passam o sapato da noiva para os convidados depositarem o dinheiro.

 

Categorias
CONTEÚDO iCasei Web

7 dicas para ousar nos drinks do seu casamento

Recipientes e preparos criativos para surpreender os convidados da sua festa

Por Karina Sérgio Gomes para o site iCasei

Deixe as taças de cristal e os copos tradicionais para os seus jantares domésticos. A tendência para os bares de casamento é investir em recipientes personalizados – e ousados – ao servir drinks. Vale pensar em algo que remeta à personalidade ou a história do casal, tenha a ver com a criação ou composição do coquetel ou seja, simplesmente, inesperado.

Para animar a pista, surpreender os convidados e agradar o paladar de amigos, pais, tios e avós, as empresas de bares para evento têm sempre uma novidade na coqueteleira, seja em canecas, copos, xícaras, lâmpadas, seringas, frutas ou até mesmo para inalar. Sim, você leu certo. Já existe um jeito de nebulizar bebidas e oferecer aos seus convidados uma nuvem de coquetel.

Com as dicas de três experts no assunto – Roberto Munari, proprietário e mixologista da Class Bar; Herbie Ramos, diretor criativo da Help!Bar; e Maurício Moser, proprietário da Brothers Bar –, ninguém vai dizer que os drinks do seu casamento eram previsíveis e sem graça. Confira as sugestões deles abaixo.

Imagem é tudo

“Primeiro, a pessoa bebe com os olhos”, lembra Maurício Moser, da Brothers Bar. Por isso, a apresentação se tornou um item muito importante no universo dos drinks. Propostas personalizadas, como canecas com as cores da festa ou rótulos que trazem os nomes dos noivos, são recursos bem interessantes nesse sentido. Na festa de um casal de médicos, por exemplo, shots à base de cranberry foram servidos em seringas, algo que despertou a curiosidade e a sede dos convidados. Todos queriam beber o líquido avermelhado no inusitado recipiente. A grande dica é sempre apostar no visual das bebidas. Essa estratégia pode vitaminar as postagens de seus amigos nas redes sociais e garantir, embaixo daquele drink diferentão, a hashtag #melhorcasamentodoano.

Novas roupagens para drinks tradicionais

Se servir a bebida numa seringa ou num tubo de ensaio não é muito a sua praia, você ainda pode investir em outros suportes ou recipientes menos manjados para casamentos, caso de xícaras, potes de geleia e vidros de perfume. Por que não trocar o clássico copo alto de um gim tônica por uma linda xícara de porcelana? Muito associado à Inglaterra, o gim, nesse caso, só vai transformar um pouco a tradição britânica da hora do chá.

Copo, pra que te quero?

“O coquetel continua sendo a mistura de dois ingredientes ou mais. A mudança é que ele não está mais necessariamente dentro de um copo, e, sim, de alguma coisa”, explica Roberto Munari, mixologista e proprietário da Class Bar. Esse “alguma coisa” vai até onde a imaginação dos noivos, o fornecedor de bebidas e a tecnologia permitirem. A Class serve, por exemplo, um manhattan dentro de uma cereja marrasquino. O drink é acondicionado na pequena fruta por meio de um processo de infusão. Nesse método, a cereja fica junto com a bebida num saco plástico fechado a vácuo. A absorção de todo o líquido demora cerca de dez dias. Quer surpreender ainda mais os seus convidados? Então contrate outro drink ousado da Class: um coquetel em forma de névoa. Por meio de um nebulizador, parecido com os usados para afastar o calor e umedecer o ar em dias quentes, a bebida é transformada num vapor gelado. De acordo com Munari, o cliente que inala essa nuvem sente exatamente o sabor do drink preparado.

Saem gelatinas e sorvetes alcoólicos, entram os saquinhos

O boom dos drinks em formato de sorvete e de jelly shot, do começo da década, anda perdendo força. Embora você os encontre em uma ou outra festa, eles já não estão mais presentes no bar e se tornaram uma atração para a pista de dança. A sugestão irreverente para substituí-los são os saquinhos de drinks para tomar de canudinho. Assim, ninguém corre o risco de quebrar um copo de vidro e atrapalhar a animação do evento.

Valorize todos os sentidos

“A coquetelaria segue os passos da gastronomia. O drink não é só uma bebida, mas, também, uma experiência”, diz o diretor de criação da Help!Bar, Herbie Ramos. Nesse cenário, o recipiente do coquetel tornou-se um grande aliado na busca por novas sensações. Oferecer bebidas em utensílios de metal, como as canecas de cobre para moscow mule, virou tendência. Ramos explica que esse material transmite maior frescor pelo tato, transformando o momento numa experiência ainda mais refrescante. A ideia pode ser adaptada, por exemplo, com o uso de copos de inox no serviço de uma caipirinha ou de um mint julep – mistura de uísque com menta, limão e açúcar.

Um toque adocicado

Para realçar sabores ou criar novas sensações, alguns drinks ganharam acompanhamentos açucarados, como balas, chocolates e pirulitos. Quem acha que Pop Rocks, as balinhas que explodem na boca, é um produto restrito ao universo infanto-juvenil, vai se surpreender com as atuais opções de coquetéis servidos juntos com pacotinhos do doce ou, mesmo, decorados com a guloseima. Nesses casos, além de matar a sede, o convidado poderá sentir e ouvir alguns estalos entre os dentes.

Sirva no momento certo

Você não precisa transformar o seu casamento num festival alcoólico. Escolha um momento significativo para oferecer uma bebida inusitada e especial para os convidados. Que tal aproveitar a abertura da pista para surpreendê-los com um drink diferente e injetar animação na festa? A entrada das pessoas também pode ser uma boa oportunidade. Garçons com bandejas iluminadas e coquetéis coloridos interessantes vão despertar a sede de quem estiver chegando.

 

Categorias
CONTEÚDO iCasei Web

8 dicas para acertar no buffet do seu casamento

Como não errar a mão na hora de escolher e combinar receitas para a sua festa

Karina Sérgio Gomes para o site iCasei

O vestido da noiva geralmente é o tema mais comentado em um casamento. Porém, quando o casal erra na mão e tropeça no cardápio do evento, o fato sempre ganha potencial para ser o maior trending topic da festa. Para evitar dissabores nessa área, não é preciso seguir uma cartilha básica, e às vezes monótona, de escolhas (na linha salada de folhas, massa com molho de tomate e carne). Os casais podem, sim, investir em preparos de família, pratos étnicos e soluções mais ousadas; desde que tomem alguns cuidados na hora de fechar o menu.

Para temperar esse caminho e dar receitas felizes, listamos abaixo oito dicas especiais da Nathália Monteiro, da área de atendimento social do Buffet Vivi Barros.

Número de convidados

A opção por um mini wedding ou uma grande festa para centenas de convidados não interfere diretamente na escolha do menu. O fator mais importante quando você pensa em número de convidados é o tipo de serviço. Num evento maior, a montagem de um bufê estilo franco-americano, no qual todos se servem à vontade em diferentes momentos, aparece como a melhor solução. O serviço volante ou um menu degustação, com garçons trazendo os itens do cardápio, é mais indicado para festas menores.

Coerência nas escolhas

Embora o menu possa ter um ou outro prato de destaque, ou mesmo uma ilha com comidas especiais, é importante seguir uma linha em todos os momentos gastronômicos: o coquetel da entrada, o almoço ou jantar e a fase dos doces. Não cai muito bem, por exemplo, promover um coquetel japonês, seguido de um jantar italiano e de sobremesas brasileiras. Ou servir aperitivos bem contemporâneos e emendar esse momento com um jantar repleto de comida típica de fazenda. Com essas quebras ao longo do cardápio, os convidados ficam, sim, meio confusos. Vale, também, adequar o menu aos horários de serviço. Num casamento em que a grande refeição é o almoço, por exemplo, um coquetel de entrada oferecido entre 10 e 11 horas pode, sim, ter opções de café da manhã, como ovos mexidos.

Na praia, na fazenda…

Ou numa casinha de sapê. Tanto faz. O menu não precisa, obrigatoriamente, combinar com o lugar. Ele precisa, mesmo, é traduzir a vontade e as expectativas dos noivos. Embora seja comum ver muitas opções com frutos do mar em casamentos na praia, deve-se sempre incluir algum prato sem pescados para agradar quem não gosta desses ingredientes. Programou o seu casamento para o campo? Então saiba que nada te obriga a abraçar um cardápio rústico ou com jeitão de casa da avó. Os noivos podem optar por pratos mais requintados ou definir uma receita especial que não tenha qualquer ligação com o universo do fogão a lenha.

Posso colocar coxinha no menu?

Pode. Nada é proibido na área gastronômica. Se você acha que o salgadinho parece algo muito simples para o seu casamento, saiba que existem várias técnicas e opções de preparo que transformam o quitute numa receita sofisticada. O Buffet Vivi Barros, por exemplo, serve uma coxinha de mandioquinha recheada com carne de pato. Esse tradicional salgado brasileiro ainda aparece como ótima sugestão para um lanchinho da madrugada. Nesse período, aliás, é importante priorizar itens mais simples, que possam ser comidos em poucos bocados. Hamburguinhos, tostex e outras opções de gostosuras são ideais para servir na pista.

Ilhas de comida

Vocês adoram comida tailandesa? Então que tal optar por um menu mais universal – que agrade os noivos e a grande maioria dos convidados – e criar uma ilha com as receitas orientais preferidas do casal? Essa é uma bela saída para quem não dispensa sabores étnicos ou regionais, mas teme a reação dos convidados a um cardápio muito específico e pouco difundido localmente.

Pensando nas minorias

Hoje é bem usual conhecer diversas pessoas com restrições alimentares, caso de vegetarianos, veganos e indivíduos com intolerância à lactose ou ao glúten. Se você tem convidados com esses perfis, inclua no menu ao menos uma opção compatível com a dieta deles.

A moda é ser saudável

Independentemente do estilo do menu ou do lugar, receitas mais saudáveis e com menos fritura estão em alta. Nessa onda, reinam pratos leves, fórmulas que incorporam folhas, legumes e carnes brancas, além de composições sem molhos pesados. Os benefícios dessas escolhas aparecem num curto prazo em casamentos: os convidados ficam menos empanturrados e mais animados para dançar na pista.