Quem pedala vai mais longe

[Perfil para o blog do Itaú, no site do prêmio Trip Transformadores, sobre pessoas que a instituição ajudou a transformar suas vidas.]

Dez anos atrás, a vida do carioca Marcelo Coutinho Luz, 42, não era nada fácil. Naquela época, para sustentar a família, ele trabalhava como recreador em hotéis e colônias de férias e dava aula de capoeira – atividade que pratica há 18 anos. As três ou quatro horas que sobravam do dia, ainda passava malhando na academia, para manter o físico aprumado.

Tudo mudou, no entanto, quando ele conheceu um adestrador de cães. Logo de cara, o profissional percebeu que Marcelo levava jeito com os animais, e Marcelo decidiu tentar. Aprendeu a tarefa e recebeu indicações de clientes. Mas, com o novo oficio, ganhou também um desafio: como chegar à casa dos fregueses para pegar os cachorros, já que morava na zona norte do Rio e os clientes na zona sul, a cerca de 30 quilômetros de distância?

“Eu achava que o melhor caminho era ir de bicicleta à casa de uma prima que morava em Ipanema, deixar a bike lá e fazer os trajetos até os clientes de ônibus”, diz. Apesar de ter um bom físico, Marcelo já chegava arrebentado para caminhar com os cachorros. Decidiu, então, inverter o caminho: ir de ônibus até a zona sul, levando a bicicleta para visitar os fregueses. “Eu economiza um bom tempo, mas era muito difícil achar um lugar para estacionar a bike. E ainda corria o risco de roubarem.”

De laranjinha

Em 2011, Marcelo conheceu o Bike Rio – um projeto de aluguel de bicicletas desenvolvido pela prefeitura da capital carioca em parceria com o Itaú e o sistema de bicicletas SAMBA. “Fiz o cadastro no site para usar o equipamento por um mês para ver se tinha alguma vantagem”, fala.

As laranjinhas, como as bikes foram apelidadas no Rio, conquistaram Marcelo. Ele passou a usá-las para fazer todo o trajeto até a casa dos clientes, sem depender de transporte público. No final das contas, passou a economizar duas horas de trajeto. “Aproveitei para pegar mais um cliente e reforçar o orçamento”, conta.

Hoje, não se preocupa mais com o estacionamento da bicicleta, nem com risco de roubo, porque é só devolver o equipamento emprestado nas estações do Bike Rio. “Também não preciso mais ir à academia”, afirma, satisfeito com o corpo malhado no vaivém das pedaladas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s