Palavras para a vida

[Perfil para o blog do Itaú, no site do prêmio Trip Transformadores, sobre pessoas que a instituição ajudou a transformar suas vidas.]

Thairiny Ribeiro, na época com 17 anos, cursava o terceiro ano do Ensino Médio e procurava um tema para escrever um artigo de opinião. “Eu tinha que encontrar um assunto que caracterizasse um problema da cidade”, lembra a jovem, que na época morava em Limeira, interior de São Paulo.

Um dia, lendo o jornal, uma notícia sobre o comércio de bijuterias da cidade lhe chamou a atenção. Achou que aquele poderia ser um bom tema para participar da Olimpíada de Português Escrevendo o Futuro, promovida pela Fundação Itaú Social, com o objetivo de ajudar a melhorar o ensino da leitura e escrita nas escolas públicas brasileiras.

Para se certificar de que o assunto renderia um bom texto, conversou com os professores, pesquisou sobre o problema e entrevistou pessoas que ganhavam a vida trabalhando com semijoias. “Achei que o tema era pertinente por abordar a condição de trabalho dessas pessoas e também a questão ambiental. Pois os resíduos do folheamento das bijuterias, descartados sem cuidado, poluem os nossos rios”, conta.

Sujando os sapatos

Durante uma semana, Thairiny pesquisou o tema na internet, entrevistou vizinhos que trabalham na confecção de semijoias e usou até sua própria mãe como fonte. “Quando eu era pequena, ela trabalhava com isso para complementar a nossa renda. Mas depois de uns três anos parou”, diz.

Para dar um embasamento mais teórico ao texto, Thairiny recorreu também às aulas de sociologia que tinha e chegou a citar o pensador Karl Marx em sua redação. “Na época em que estava escrevendo o texto, começamos a estudá-lo, e eu achei que as suas ideias combinavam muito com o meu tema.”

Leitora voraz da obra de Machado de Assis, sabia que empregar a ironia de seu autor favorito não seria uma boa saída, mas que poderia se inspirar nele para escrever um texto bem objetivo. “Eu tinha que ser clara para ir direto ao ponto”, diz. A estudante fez e refez o texto muitas vezes até chegar ao resultado esperado.

Com a boca no trombone

Thairiny não acreditava que sua redação passaria da seleção municipal porque o tema era uma questão delicada para a cidade, que vive praticamente da confecção e do comércio de bijuterias. No entanto, a aluna não só passou pela etapa municipal, como também pela estadual. Thairiny viajou para Brasília para disputar a final nacional.

Hoje, aos 19 anos, a estudante de engenharia civil da Universidade Federal de São Carlos, ainda fica orgulhosa ao falar sobre sua redação. “Meu texto foi para os jornais da cidade, fui chamada para falar dele na televisão”, conta. “Acho que, depois disso, eu consegui chamar atenção para o caso e alertar as pessoas.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s